Orfeu negro - Tópico 1

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por Admin em Qua Dez 07, 2016 7:28 pm

Boa tarde a todas e a todos. Espero que a plataforma funcione bem e que a nossa discussão seja produtiva. Para a conversa sobre o texto de Sartre, que é o prefácio a uma antologia organizada pelo poeta e primeiro presidente do Senegal, Léopold Sedar Senghor - uma antologia bastante importante para a história da poesia negra de língua francesa (Anthologie de la nouvelle poésie nègre et malgache), mas não só de língua francesa -, minha ideia é propor três tópicos, cada um deles com alguns subtópicos. Quanto ao tempo, teremos, mais ou menos, 40 minutos para cada tópico.

Para iniciarmos, a proposta é pensarmos sobre a afirmação de que a poesia negra de língua francesa era, então (em 1948), "a única grande poesia revolucionária" (p. 96).

Esse seria o tópico, o qual poderia sem complementado por dois subtópicos:

a) as potencialidades poéticas do "proletariado branco" (p. 96), em comparação com as dos poetas negros;
b) a função do poeta negro e o porquê de sua poesia ser "'órfica'" (p. 102).

Iniciemos, pois, a discussão.


Última edição por Admin em Sex Dez 09, 2016 2:02 pm, editado 1 vez(es)

Admin
Admin

Mensagens : 48
Data de inscrição : 05/12/2016

Ver perfil do usuário http://desvios.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por raquelandrade em Sex Dez 09, 2016 2:07 pm

Se não me engano, o autor coloca a poesia como sendo a forma para que os negros pudessem buscar uma forma de modificar as coisas, ainda que, para isso, precisassem usar a "língua do opressor", por não haver uma única língua que fosse comum para os negros, espalhados pelo mundo, após a retirada forçada da Africa, rumo à escravidão...

raquelandrade

Mensagens : 61
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por raquelandrade em Sex Dez 09, 2016 2:08 pm

Ao mesmo tempo, o autor coloca o "proletariado branco" em uma espécie de apatia poética...

raquelandrade

Mensagens : 61
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por raquelandrade em Sex Dez 09, 2016 2:16 pm

Apatia esta, que se apresenta não por falta de habilidade do proletariado branco para fazer poesia, mas porque este se encontra atrelado às preocupações com a técnica, vista como forma de sobrevivência, segundo Sartre

raquelandrade

Mensagens : 61
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por Camila Dias em Sex Dez 09, 2016 2:17 pm

A revolução parece, de acordo com Sartre, ter relação com uma tomada de consciência de si. Entretanto, tal movimento, no caso do proletariado branco, não se aproxima de uma "reimersão em si" (p. 97), mas de uma 'autolocalização', autoafirmação dentro do próprio sistema de luta de classes. O branco parte de outro lugar, de outro contexto, por isso, irá engatar outro processo de reconhecimento diante de uma coletividade.
O negro, por sua vez, também vítima do sistema (capitalista), como o branco, é duplamente atravessado de forma depreciativa: há também a diferença de cor. E é neste ponto, para Sartre, que o negro deve construir a sua consciência de si.
"O racismo anti-racista é o único caminho capaz de levar à abolição das diferenças de raça" (p. 98). Existe um movimento que pede o reconhecimento da diferença para que ela desague na igualdade entre os homens. Essa seria a grande revolução. O que não se percebe na demanda pela tomada de consciência dos marxistas, por exemplo.
A poesia seria o lugar para a construção, expressão e vida dessa autoconsciência (?).

Camila Dias

Mensagens : 21
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por raquelandrade em Sex Dez 09, 2016 2:19 pm

E "órfica" pela comparação do autor: "a descida do negro dentro de si mesmo me lembra Orfeu indo reclamar Eurídice a Plutão". Portanto, esta busca interna, esse eterno "procurar".

raquelandrade

Mensagens : 61
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por Camila Dias em Sex Dez 09, 2016 2:20 pm

Há um momento em Sartre diz: "África, consciente imaginário". Isso teria relação com a "consciência-de-si" elaborada na poesia?

Camila Dias

Mensagens : 21
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por Lídia Generoso em Sex Dez 09, 2016 2:21 pm

Acredito que a grande chave de Sartre para explicar o caráter revolucionário da poesia negra esteja em um trecho da página 94: "sua poesia não é satírica nem imprecatória: é uma tomada de consciência" (p. 95). Nesse sentido, as imagens e os afetos que a poesia negra busca construir e causar giram em torno de uma consciência de si e de uma valorização deste mesmo si - a despeito e contra as caracterizações negativas que lhes são atribuídas pelo racismo e pela colonização. Afinal, "e posto que lhe oprimem em sua raça, e por causa dela, é de sua raça, antes de tudo, que lhe cumpre tomar consciência" (p. 98), de modo que a poesia negra buscaria um reencontro dos negros com sigo mesmos. Essa poesia, então, tem uma finalidade, a de afirmar a negritude para subverter as diferenciação arbitrária, normativa e racista que caracterizou o negro como sendo inferior em sua essência e sua natureza; de movo que a negritude coloca-se como a afirmação - também de uma possível essência e natureza da negritude - boa.

Lídia Generoso

Mensagens : 14
Data de inscrição : 08/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por raquelandrade em Sex Dez 09, 2016 2:24 pm

Camila Dias escreveu:Há um momento em Sartre diz: "África, consciente imaginário". Isso teria relação com a "consciência-de-si" elaborada na poesia?

Creio que sim, Camila... Isso é algo que os dois textos, inclusive, tem em comum: essa necessidade de o negro atingir o auto conhecimento, no sentido de uma busca por sua identidade. A Africa acaba se tornando, muito mais que um local geográfico, um lugar emocional e de auto-conhecimento: a poesia poderia ser uma forma de buscar saber quem é, de onde veio, e assumir um valor que passou a ser atribuído pelo olhar do "outro"...

raquelandrade

Mensagens : 61
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por raquelandrade em Sex Dez 09, 2016 2:25 pm

assumir, na verdade, a detenção deste valor, para que não venha deste "outro"

raquelandrade

Mensagens : 61
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por renanandrade em Sex Dez 09, 2016 2:26 pm

No mito de Orfeu, a única ferramenta que ele tinha para enfrentar as adversidades do mundo era a sua arte (representada por uma lira, se não me engano).

Creio que essa é a chave para a poesia negra daquela época ser considerada órfica...

renanandrade

Mensagens : 9
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por iurybelchior em Sex Dez 09, 2016 2:27 pm

Acho que a relação linguística empreendida - poesia negra em francês - move esforços no sentido de um conteúdo. É preciso dizer e comunicar esse dizer (faço ressalvas quanto a palavra que uso, comunicar não é bem a função poética). Concordo om a Raquel nesse sentido de uma ocupação de espaço representativo, mesmo que limitado pelas fronteiras sistemáticas da língua do opressor. Ao penetrar a língua do colonizador, o oprimido pode (nesse ponto eu acho que isso não é tão categórico assim) subvertê-la, principalmente ao desviar do padrão de uso. Essa possibilidade dependeria muito (mas não só) do fazer poético, penso.

iurybelchior

Mensagens : 37
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por Lídia Generoso em Sex Dez 09, 2016 2:28 pm

O problema, segundo Sartre, com a poesia do proletariado branco, foi que esta não foi capaz de equilibrar-se entre a necessidade da subjetividade individual e seu caráter social. Nesse sentido, o autor tece críticas à União Soviética e aos partidos comunistas, bem como aos poetas burgueses. Os primeiros, por terem se utilizado de uma linguagem rígida e estanque, das palavras de ordem e das ordens; deixando em falta o espaço para a criação, o subjetivo, o individual. Os segundos, por perderem-se tanto no individualismo que passaram a falar apenas de si mesmos e de "suas próprias contradições psicológicas" (p. 97)

Lídia Generoso

Mensagens : 14
Data de inscrição : 08/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por iurybelchior em Sex Dez 09, 2016 2:30 pm

raquelandrade escreveu:assumir, na verdade, a detenção deste valor, para que não venha deste "outro"

Eu acho que aí reside o grande problema em matéria de representação. Sartre tem uma tendência em valorizar tipos ideais em matéria de identidade. É muita autoafirmação e pouca empatia. Talvez nesse primeiro momento deva ser assim mesmo.

iurybelchior

Mensagens : 37
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por renanandrade em Sex Dez 09, 2016 2:31 pm

iurybelchior escreveu:Ao penetrar a língua do colonizador, o oprimido pode (nesse ponto eu acho que isso não é tão categórico assim) subvertê-la, principalmente ao desviar do padrão de uso. Essa possibilidade dependeria muito (mas não só) do fazer poético, penso.

E é interessante que Sartre coloca o 'proletariado branco' num patamar de oposição aos poetas negros, e descreve os primeiros como apáticos, o que quase automaticamente deixa os poetas negros nessa posição de subversão.

renanandrade

Mensagens : 9
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por Camila Dias em Sex Dez 09, 2016 2:31 pm

Sartre diz (p. 100): "E a poesia negra nada tem em comum com as efusões do coração: é funcional, corresponde a uma necessidade que a define exatamente". Em seguida, ele afirma certa univocidade temática da poesia africana... Será?

Camila Dias

Mensagens : 21
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por raquelandrade em Sex Dez 09, 2016 2:33 pm

A poesia negra, segundo Sartre, tem um papel de desconstrução. Ele diz: "visto que o opressor está presente até na língua que eles falam, falarão esta língua para destrui-la" (p. 105). Isto se dá através do que ele chamou de "astúcia inversa e semelhante"... Penso que isto lembra, em muito, o surrealismo: desconstruir conceitos, jogar com as palavras, fazendo combinações que pudessem chocar... E com o intuito de, de certa forma, rever a moral operante e sugerir uma nova....

raquelandrade

Mensagens : 61
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por iurybelchior em Sex Dez 09, 2016 2:35 pm

renanandrade escreveu:No mito de Orfeu, a única ferramenta que ele tinha para enfrentar as adversidades do mundo era a sua arte (representada por uma lira, se não me engano).

Creio que essa é a chave para a poesia negra daquela época ser considerada órfica...

Acho que também tem uma relação de oposição entre Orfeu e Prometeu, o grande símbolo da civilização, do trabalho, do desempenho.

Orfeu é a negação máxima! me parece...

iurybelchior

Mensagens : 37
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por Lídia Generoso em Sex Dez 09, 2016 2:37 pm

Para Sartre, "visto que o colonizador está presente até na língua que eles falam, falarão essa língua para destruí-la" (p. 107). A possibilidade de subverter a língua do opressor por meio da poesia, que aparece aqui, foi uma questão bem polêmica entre os intelectuais e políticos africanos deste período. O fato de que Senghor escrevia poesia em francês tornou-se querela entre ele e Fanon, por exemplo. 'Em qual língua fazer poesia?' foi ponto central de discordância entre intelectuais africanos durante o processo de construção nacional, e essa posição de Senghor e Sartre foi muito oposta por aqueles que queriam valorizar as línguas africanas e também os que propunham que arte e intelectualidade deveriam servir ao povo, às revoluções, e portanto assumirem caráter popular.

Lídia Generoso

Mensagens : 14
Data de inscrição : 08/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entretanto...

Mensagem por iurybelchior em Sex Dez 09, 2016 2:38 pm

raquelandrade escreveu:A poesia negra, segundo Sartre, tem um papel de desconstrução. Ele diz: "visto que o opressor está presente até na língua que eles falam, falarão esta língua para destrui-la" (p. 105). Isto se dá através do que ele chamou de "astúcia inversa e semelhante"... Penso que isto lembra, em muito, o surrealismo: desconstruir conceitos, jogar com as palavras, fazendo combinações que pudessem chocar... E com o intuito de, de certa forma, rever a moral operante e sugerir uma nova....

A relação dialética nessa negação pode (em alguns casos) afirmar ainda mais a relação opressor-oprimido. Um grande exemplo disso é a poesia africana marcada pela questão de afirmação da negritude. Ela parece ser bem ruim, bem sem qualidade, ao menos até um Craveirinha... O que vocês acham?

iurybelchior

Mensagens : 37
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por daniela.braga em Sex Dez 09, 2016 2:39 pm

Com relação ao primeiro tópico, entendo que sartre enaltece, de certa forma, o fazer poético negro. Isso porque sua poesia não é apenas técnica, tomando como matéria a luta de classes e as mazelas da vida no mundo capitalista - assim caracteriza a poesia do proletariado branco. A poesia negra evocará o subjetivismo daquele que busca, antes de tudo, sublinhar sua identidade, sua "alma negra", sua "negritude". Escreve de si e para si, nessa tomada legítima de consciência, elemento já apontado aqui pelos colegas...

daniela.braga

Mensagens : 3
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por raquelandrade em Sex Dez 09, 2016 2:40 pm

A impressão que tive é de que, para Sartre, a poesia é o que se cria após "vomitarem a branquidão"(frase na p. 105). Ele parece ver a poesia como uma língua a parte, que surge depois de uma "ingestão" e depois o "regurgitar" do que é branco. Devorar, digerir, selecionar. E o que sobra após este processo cria algo novo, a Poesia, em maiúscula.

raquelandrade

Mensagens : 61
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por raquelandrade em Sex Dez 09, 2016 2:44 pm

iurybelchior escreveu:
raquelandrade escreveu:A poesia negra, segundo Sartre, tem um papel de desconstrução. Ele diz: "visto que o opressor está presente até na língua que eles falam, falarão esta língua para destrui-la" (p. 105). Isto se dá através do que ele chamou de "astúcia inversa e semelhante"... Penso que isto lembra, em muito, o surrealismo: desconstruir conceitos, jogar com as palavras, fazendo combinações que pudessem chocar... E com o intuito de, de certa forma, rever a moral operante e sugerir uma nova....

A relação dialética nessa negação pode (em alguns casos) afirmar ainda mais a relação opressor-oprimido. Um grande exemplo disso é a poesia africana marcada pela questão de afirmação da negritude. Ela parece ser bem ruim, bem sem qualidade, ao menos até um Craveirinha... O que vocês acham?

Iury, acho que ele não vê como algo que pode afirmar ainda mais a relação opressor-oprimido.... É quase que, a meu ver, uma forma de usar a ferramenta do oporessor contra o mesmo... A questão da "astúcia inversa e semelhante", e mesmo a ideia de "vomitar a branquidão"... Tenho a impressão que é como se fosse: utilizar do oporessor apenas o que interessa à expressão do oprimido, que agora se expressa... Não?

raquelandrade

Mensagens : 61
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por Camila Dias em Sex Dez 09, 2016 2:47 pm

raquelandrade escreveu:
iurybelchior escreveu:
raquelandrade escreveu:A poesia negra, segundo Sartre, tem um papel de desconstrução. Ele diz: "visto que o opressor está presente até na língua que eles falam, falarão esta língua para destrui-la" (p. 105). Isto se dá através do que ele chamou de "astúcia inversa e semelhante"... Penso que isto lembra, em muito, o surrealismo: desconstruir conceitos, jogar com as palavras, fazendo combinações que pudessem chocar... E com o intuito de, de certa forma, rever a moral operante e sugerir uma nova....

A relação dialética nessa negação pode (em alguns casos) afirmar ainda mais a relação opressor-oprimido. Um grande exemplo disso é a poesia africana marcada pela questão de afirmação da negritude. Ela parece ser bem ruim, bem sem qualidade, ao menos até um Craveirinha... O que vocês acham?

Iury, acho que ele não vê como algo que pode afirmar ainda mais a relação opressor-oprimido.... É quase que, a meu ver, uma forma de usar a ferramenta do oporessor contra o mesmo... A questão da "astúcia inversa e semelhante", e mesmo a ideia de "vomitar a branquidão"... Tenho a impressão que é como se fosse: utilizar do oporessor apenas o que interessa à expressão do oprimido, que agora se expressa... Não?

Até porque o grande objetivo parece ser o de alcançar o reconhecimento de todos enquanto homens.

Camila Dias

Mensagens : 21
Data de inscrição : 09/12/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por Admin em Sex Dez 09, 2016 2:47 pm

É importante perceber a concepção que Sartre tem de poesia. Ele vê, de fato, na "experiência poética", um grande potencial de transformação, tanto do sujeito quanto da vida objetiva. Quanto ao primeiro campo ele diz mesmo que a “subjetividade, relação de si-mesmo consigo”, é a “fonte de toda poesia”. No caso da poesia negra, trata-se de uma “descida do negro” em direção a si mesmo, a essa África que é origem, com a qual é preciso que se identifique o poeta da negritude, pelo menos, nesse momento da história de um processo de revolução, que é o da tomada de consciência. Mais tarde veremos, entretanto, que se trata de um momento a ser superado, segundo o próprio Sartre. Passemos ao segundo tópico.

Admin
Admin

Mensagens : 48
Data de inscrição : 05/12/2016

Ver perfil do usuário http://desvios.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Orfeu negro - Tópico 1

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum